Modos gregos: o que é, quantos são e definições

Foto em detalhe do piano e uma partitura

Nos posts anteriores, falamos  a respeito das escalas naturais, harmônica, menor melódica e cromática. Agora chegou a hora de entender o que são os modos gregos.

Ao contrário do que muitos pensam, por conta da sua nomenclatura diferente, como “jônico” e “dórico”, este é um assunto bem simples de entender.

Por isso, hoje nós vamos explicar de forma simplificada o que são esses modos e como você pode aplicá-los no seu instrumento.

Conceito dos modos gregos

Os modos gregos dizem respeito a 7 modelos diferentes para representar a escala maior natural, denominados:

  • Jônico;
  • Dórico;
  • Frígio;
  • Lídio;
  • Mixolídio;
  • Eólio;
  • Lócrio.

Modo Jônico

Como já estamos acostumados nos outros estudos sobre escala, vamos usar a escala de Dó maior como referência. Assim, o modo jônico nada mais é do que a escala maior de Dó, ou seja:

  • Dó – Ré – Mí – Fá – Sol – Lá – Sí – Dó

Assim, conseguimos observar a sequência já conhecida das escalas naturais, que é:

  • Tom – Tom – Semitom – Tom – Tom – Tom – Semitom

Lembrando que, se você não recorda ou ainda não está familiarizado com o que é essa sequência, você pode ver rapidamente o que é tom, semitom e microtonalidade.

Seguindo essa lógica, entender os outros 6 modos é ainda mais fácil. Mesmo assim, vamos contextualizar cada um deles separadamente para que você entenda de vez o que são os modos gregos.

Modo Dórico

Seguindo a lógica apresentada no modo anterior, chegamos ao segundo modo grego, conhecido como Dórico. A diferença deste modo para os demais é que ele começa a partir da nota Ré, seguindo a mesma ideia da sequência de intervalos da escala maior.

Explicado no modo jônico, temos os seguintes intervalos:

  • Tom – Semitom – Tom – Tom – Tom – Semitom – Tom

Assim, a sequência de notas deste modo é:

  • Ré – Mi – Fá – Sol – Lá – Sí – Dó – Ré

Parece um pouco óbvio, principalmente se você já estudou a escala maior natural, entretanto, há uma diferença de conceito que precisa ficar clara aqui.

Em uma música que começa na nota Ré menor, por exemplo, e continua com os acordes de Lá menor, Mi e Fá, podemos concluir que a tonalidade da música é Dó, mesmo ela não aparecendo nenhuma vez na música.

Assim, se quisermos fazer um solo em Ré, terminando novamente nesta nota, este ficaria mais característico do que feito em Dó. É aí que entra o modo dórico, usando e enfatizando a nota Ré, mesmo na tonalidade de Dó.

Modo Lídio

O modo Lídio começa no quarto grau da escala maior, ou seja, na nota Fá, e assim, temos a seguinte sequência de intervalos:

  • Tom – Tom – Tom – Semitom – Tom – Tom – Semitom

Assim, a sequência de notas dessa escala fica da seguinte forma:

  • Fá – Sol – Lá – Si – Dó – Ré – Mí – Fá

Modo Mixolídio

O modo mixolídio é a escala maior com a 7º menor, ou seja, na escala de Dó maior, esta começa a partir do quinto grau, na nota Sol. Assim, sua sequência de intervalos é:

  • Tom – Tom – Semitom – Tom – Tom – Semitom – Tom

O modo mixolídio em tom de Dó fica da seguinte forma:

  • Sol – Lá – Si – Dó – Ré – Mi – Fá – Sol

Modo Eólio

Se você já deu uma olhada no conteúdo sobre as escalas naturais, perceberá que o modo eólio e a escala menor natural são a mesma, e corresponde ao sexto grau da escala de Dó, ou seja, iniciando sua sequência pela nota Lá. Assim, sua sequência de intervalos é:

  • Tom – Semitom – Tom – Tom – Semitom – Tom – Tom

Desse modo, encontramos aqui um novo nome para a escala menor natural, o modo eólio. Assim como a escala maior natural também pode ser denominada como Jônico. Por isso, ao solar usando o modo eólio, com a sexta menor, você está usando uma relativa menor.

A sequência de notas para esse modo, na escala de Dó, fica no seguinte formato:

  • Lá – Si – Dó – Ré – Mi – Fá – Sol – Lá

Modo Lócrio

O modo lócrio pode ser facilmente identificado por corresponder a escala menor natural com a 2ª menor e a 5ª diminuta. Assim, com uma sequência de intervalos da seguinte forma:

  • Semitom – Tom – Tom – Semitom – Tom – Tom – Tom

Assim, sua sequência de notas é feita no seguinte formato:

  • Si – Dó – Ré – Mi – Fá – Sol – Lá – Si

Amplie seu conhecimento musical com os modos gregos

Agora que você já sabe o que são os modos gregos e percebeu que não há nenhum mistério em entendê-los, está na hora de praticá-los!

Lembre-se que, embora esses modos sigam o formato das escalas naturais, eles se diferenciam por permitir que você improvise com a nota inicial do modo que está sendo tocado, conferindo um som mais característico à música.

Pronto para praticar os modos gregos?

Share this Story
Load More Related Articles
Load More By Especialista Multisom
Load More In Dicas para músicos

1 Comentário


  1. Ferreira Detetive Particular

    12 de dezembro de 2019 at 14:24

    Parabéns pelo artigo!

    Eu ainda estou iniciando nos estudos da música e mesmo para mim foi fácil entender.

    Reply

Deixa uma resposta

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

Check Also

Conheça os melhores filmes sobre bandas e músicos

Sendo duas das formas de arte mais amadas ...